sexta-feira, 11 de junho de 2010

Interferência Urbanas à Revelia do Povo


Não se trata saber se o fechamento e a transformação da Avenida Rio Branco em grande boulevard será uma medida boa ou má, útil ou inútil. O questionamento necessário é: por que uma proposta destas antes de ser tirada da prancheta dos sábios engenheiros, arquitetos ou urbanistas não são discutidas com a sociedade?
Reza a lenda, que um prefeito foi eleito pelo povo e para governar para o povo e com o povo e por isto, não justifica este mesmo povo saber das transformações que acontecerão na cidade e, conseqüentemente, em suas vidas, apenas através dos noticiários dos jornais. Não pode-se governar de maneira unilateral: o prefeito decidiu e pronto e ponto, assim será.
Uma cidade não pode estar sujeita ao bom ou mau humor de um prefeito ou ao desejo insano de seus secretários ou colaboradores, muitas das vezes, visionários que apresentam projetos mirabolantes do que imaginam ser melhor para a cidade. A Avenida Rio Branco que será fechada experimentalmente no próximo dia 26 é apenas um exemplo. Pode ser algo absolutamente favorável ou não.
No caso especifico deste novo delírio, se algo não der certo, é possível voltar atrás, reabrir a avenida e tudo fica como antes como se nada tivesse acontecido.
Mas nem sempre o bom senso impera. A cidade, a sociedade tem pago um preço alto – em todos os sentidos - com estas atitudes tomadas à revelia por nossos representantes.
Os mais velhos, ainda se lembram e lamentam profundamente a destruição do Palácio Monroe, em 1975, pelo então presidente Ernesto Gisel. Mas este cidadão era presidente durante um período ditatorial e um “prediozinho qualquer” não poderia interferir – leia-se impedir - a modernização que o metrô representaria para a cidade. O infeliz do palácio estava no caminho do metrô então não há o que se discutir ou questionar: levaram o prédio ao chão.
Mas a ditadura acabou, fomos às urnas e tivemos direito ao voto. Mas democracia não é sinônimo de harmonia com o desejo do povo. Esta deficiência de captar o desejo da sociedade pode ser observada no desejo nsano do Exmo. Prefeito César Maia em construir, primeiro o Museu Guggenheim e posteriormente fazer as obras na Marina da Glória.
Quanto ao palácio Monroe, não houve opção: foi ao chão uma das mais belas obras da arquitetura da cidade, um crime contra o patrimônio histórico. O famigerado projeto do Museu Guggenheim - muito mais um delírio de dois ou três – a sociedade se organizou, disse não e os projetos não saíram do papel; desfecho parecido foi os das obras da Maria da Glória, que a sociedade também disse não, se organizou e impediu que acontecesse. Os jogos pré-olímpicos, que eram o pretexto para tal obra passou, não trouxe rigorosamente nada de benéfico para a cidade, como alardeavam nossas autoridades, mas o esqueleto da famigerada obra da Marina continua lá, testemunhando a falta de harmonia de nossos alcaides com o desejo do povo...
Um pouco antes disto, o prefeito Luis Paulo Conde planejou colocar no chão a Perimetral. Não se sabe por que o desejo não foi adiante. Mas Conde deixou sua marca, restaurando total e completamente a Rua do Lavradio. Ao menos algo de lúcido neste festival de insanidades.
O fechamento da Avenida Rio Branco é a polêmica que começa a tomar conta da cidade. A sociedade carioca não deve ter nada contra o Sr. Sérgio Dias, mesmo porque não sabe quem ele é. Dias é Secretário de Urbanismo do prefeito Eduardo Paes, e é ele quem comanda o denominado projeto Rio Verde e uma das primeiras medidas é exatamente o fechamento da antiga Avenida Central.
A exemplo do que aconteceu com o Museu Guggenheim o projeto é tratado a 7 chaves – esconder projetos a 7 chaves parece uma prerrogativa para se fazer intervenções na cidade. Guardando as devidas proporções, Sérgio Dias lembra muito Alfredo Sirkis (urbanismo) e Ricardo Macieiras (cultura) ex-secretários do prefeito César Maia, que, com suas pastinhas embaixo dos braços e andavam para lá e para cá, ao lado de Jean Nouveau prometendo que o Rio emergiria do Cais com o Guggenheim. Os dois apresentavam Nouveau como o maior gênio da arquitetura, parecia até que ele havia inventado a arquitetura. A sociedade não gostou da idéia, torceu o nariz para Nouveau, fez passeatas e o Guggenheim foi literalmente por água abaixo.

2 comentários:

Bruno disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

file:///C:/Documents%20and%20Settings/arca/Desktop/rock_sim_01.jpg

Postar um comentário

  ©Jornal Capital Cultural - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo